terça-feira, 15 de agosto de 2017

Abertura à vida: plena confiança em Deus

Não é novidade que eu e meu marido temos quatro filhos. Mas talvez seja novidade para quem nos acompanha há pouco tempo que somos abertos à vida, isto é, que não fazemos nenhum planejamento familiar, não adotamos controle algum de natalidade, nem artificial, nem natural. Em outras palavras, não, a fábrica não fechou, para horror dos parentes, amigos, inimigos, médicos e ativistas por um mundo melhor - todos aqueles que, graças a Deus, não pagam nossas contas.

E por falar em contas, ao contrário do que se possa pensar, nossa decisão não tem absolutamente nada a ver com questões financeiras. Não, nós não somos ricos - e não somos mesmo, diferentemente daqueles que dizem isso para posar de modestos e são hipócritas, pois têm todas as garantias possíveis para viver uma vida tranquila. "Mas minha nossa, que irresponsabilidade!", muitos de vocês devem estar pensando, e, bem, este é um modo de ver as coisas, mas não o nosso.

Nós somos cristãos e acreditamos que toda a vida é fruto da vontade de Deus. Sim, bem assim mesmo, bem "medieval" mesmo - como adoram xingar os modernosos, e como se isso fosse de fato um xingamento. Não achamos que a vida é um mero fato biológico, fruto da combinação de óvulo e espermatozóide pura e simplesmente. Admitir algo assim seria assumir uma visão mecanicista da criação, onde Deus teria apertado um botão de "start" lá no início dos tempos e depois largado tudo, deixando por nossa conta e risco todo o resto. Não pensamos assim.

Sabemos que Deus vive e age hoje, agora, neste instante e em todos os demais, em todos os lugares; acreditamos que se Ele não disser "faça-se a luz!", vida alguma surge e se mantém, por mais jovem, saudável e fértil que se possa ser - quem não conhece pessoas que, mesmo sem problema orgânico algum, não conseguem engravidar? E quem não conhece ao menos um caso de vida que surgiu de quem menos se achava possível? - Sei que isso soa estranho - às vezes apavorante -, até mesmo entre cristãos, mas ou Deus governa nossas vidas por completo, incluindo nossos bolsos e corpos, ou lançamos mão de qualquer desculpa para nos considerarmos muito maduros e responsáveis, fugindo da plena entrega e confiança para a qual Ele não cessa de nos chamar.

Aos que repetem o chavão "botar filho no mundo é fácil; quero ver criá-los", afirmo: de fato, seríamos os mais levianos e sem-vergonhas se, invocando a Deus sobre a geração de nossos filhos, não O invocássemos também para que nos desse todo amor, sabedoria e condições para bem criá-los. Abrir-se a receber todos os filhos que Ele nos enviar não é uma disposição satisfeita quando abrimos mão do anticoncepcional, da camisinha ou do MOB, deitamos, amamos e levantamos da cama: ali é só o começo de tudo, o início de uma jornada de santificação que deve conduzir à eternidade. Assim, acreditamos que a abertura à vida só é real quando nos dispomos a confiar o tanto que Ele espera que confiemos; só é real quando nos dispomos a servir o tanto que Ele deseja que sirvamos; só é real quando nos dispomos a morrer para nós mesmos o tanto que Ele deseja que nós morramos; e tais medidas só quem as sabe é Ele, não nós. 

 
Será que realmente acreditamos em Jesus quando disse que nem sequer um mísero fio de cabelo cai da nossa cabeça sem que Deus o saiba e permita? Se Ele é capaz de conhecer e zelar por coisa tão indiferente como um fio de cabelo, não o seria ainda muito mais pelas vidas que sopra nos ventres maternos e pelas nossas próprias vidas? Senhor, aumenta nossa fé!

10 comentários:

  1. Sair desse pensamento egoísta é um tanto difícil e dasafiador. Muitas vezes nem percebemos que o temos, eu mesma quando li "o amor que a vida" da Kimberley Hanh descobri o quão egoísta e centralizado em mim mesmo eram os meus conceitos e até planos para o futuro. Obrigada por novamente ser a voz de Deus que me chama a morrer pra mim mesma! Deu a abençoe

    ResponderExcluir
  2. Amém! Precisamos de mais fé menos compromisso com este mundo pós moderno.

    ResponderExcluir
  3. Sempre um bálsamo de verdade as suas palavras, Camila. Perfeito!

    ResponderExcluir
  4. Que lindo Camila, muita admiração pela sua jornada e de sua família.

    ResponderExcluir
  5. Obrigada por esse texto! Deus abençoe vc e sua família!

    ResponderExcluir
  6. Realmente é desafiador se entregar totalmente a vontade do Pai. Estou no começo dessa trilha, mas tenho certeza que com a graça de Deus chegarei lá.

    ResponderExcluir
  7. Obrigada pelo texto! Estamos com o Filipe de1 ano e 8 meses e estou grávida novamente e já ouvi de alguns: "Ah agora vcs farão um casal e podem ficar tranquilos" as pessoas estão cada vez mais egoistas e centradas em si, no seu bem estar e em seus corpos que um dia virarão pó.

    ResponderExcluir
  8. Uau! Por esta eu não esperava, mesmo não esperando nada diferente de vocês. Orgulhosa de ter vocês como modelos de coragem e fé. Pedindo a Deus por esta jornada neste caminho tão estreito que vocês decidiram trilhar e pedindo fortaleza pra ir atrás. No momento, estou bem confortável com meu marido tíbio, que só queria um casal e acabou com mais dois, muito a contragosto, e que agora é minha desculpa pra esconder minha falta de confiança absoluta na vontade de Deus.

    ResponderExcluir
  9. Eita Gloria. Que o Senhor nos dê a graça desse testemunho de amor contagiar muitis corações.

    ResponderExcluir